Lugares
Categoria: Arte, Blog, Fotografia, Viagem

Win Wenders | Dinossauro | Deserto de Mohave, California | 1983

Win Wenders estará autografando seu livro “Places, strange and quiet” na próxima sexta-feira, 18 de novembro, em Los Angeles. Ao ler a notícia, como gostaria de estar em Los Angeles. Como gostaria de estar em qualquer lugar. E como o lugar comum acaba por parecer lugar nenhum, tento fazer do meu lugar um lugar a investigar. A vontade de lugar e deslocar, me levou a folhear as páginas do livro que será autografado em Los Angeles:

“Quando você viaja bastante,
e ama andar sem destino
e se perder,
pode ir parar nos lugares mais estranhos.

Tenho um grande fascínio por lugares
É quase como um vício.
Alguns são viciados em drogas ou futebol
(bem eu também…)
Ou dinheiro ou carros ou o que for.
Eu gosto de lugares.
Fico tão ligado a eles,
Que chego a sentir saudades de vários de uma só vez.
O que eles têm de especial?

Primeiro, despertam em mim muita curiosidade.
Ao olhar um mapa,
os nomes de montanhas, vilarejos,
rios, lagos ou cada paisagem,
logo fico empolgado
mesmo que eu não os conheça
ou que nunca neles tenha estado.
Leio os nomes e imediatamente quero estar lá.
O mesmo com as cidades!
Os nomes de bairros, praças, ruas ou prédios evocam em mim um desejo ardente de vê-los.

[...]

Todos vão para a direita, porque
“o que é interessante está lá”
eu viro à esquerda
“onde nada há”
e com certeza,
me deparo com os “lugares a que pertenço”.

Não sei,
deve ser um tipo de radar interno
que frequentemente me leva a lugares
que são estranhamente quietos
ou quietamente estranhos.

Fico ali e mal consigo acreditar no que vejo
Essa é a minha sensação preferida.

Você começa a entender
onde nasceu meu insaciável interesse por lugares:
vem do fato
de que mundo afora existem
os mais incríveis lugares, sítios e espaços
que nem em sonho você os imaginaria
em cores e formas jamais vistas,
com os detalhes mais loucos,
em impossíveis constelações.

Por isso é que não dou a mínima
para nenhuma dessas imagens computadorizadas
de hoje em dia, nas quais
o mundo é representado artificialmente,
arrumado, manipulado, inventado ou composto
para criar uma “nova realidade”.
O que há de bom nisso?

A realidade que encontro mundo afora,
de vez em quando,
aqueles lugares estranhos e quietos,
para mim são muito mais envolventes
e emocionantes,
pelo simples fato
de existirem.
Na maioria das vezes humildemente,
Com frequência esquecidos
E raramente famosos.

Não há nada mais belo sob os céus
que a incrível,
alucinante,
infinita
variedade de lugares
que realmente
existem.”

[WENDERS, Win. Places, strange and quiet / Lugares, estranhos e quietos. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo: Mostra internacional de cinema de São Paulo, 2010.]

Deixe um comentário