Fragilidade
Categoria: Viagem

Entramos o ano na praia da Pinheira, em Santa Catarina. Eu nunca tinha ido pra lá e gostei bastante da praia, com mar calmo e clima família. Da Pinheira fizemos uma trilha muito afudê até a praia da Guarda. Na trilha, que dura um pouco mais de uma hora, se cruza campos e se passa por outras praias menores. Quando eu estava no meio da trilha, em cima de um dos morros, com o vento balançando meu corpo e a vista perdida na imensidão do mar, senti a necessidade de ter um caderno para o registro de memórias especiais. Isso porque uma das coisas que mais me decepcionam é a fragilidade de minha memória e a facilidade que tenho para, sem querer, esquecer das coisas. Então, comecei a pensar em outros acontecimentos que poderiam entrar no tal caderno e a lamentar pelas coisas que já não consigo lembrar com clareza.

Um comentário

  1. ricardo romanoff disse:

    “…dia virá em que as pessoas que pensam como nós irão se ausentando, até que poucas, bem poucas, ficarão para testemunhar nosso estilo de vida e pensamento. Os jovens nos olharão com estranheza, curiosidade; nossos valores mais caros lhes parecerão dissonantes e eles encontrarão em nós aquele olhar desgarrado com que, às vezes, os velhos olham sem ver, buscando amparo em coisas distantes e ausentes.”

    do livro Memória e sociedade: lembranças de velhos, da Ecléa Bosi (Ed. da USP, 1987 – 2ª ed.)

Deixe um comentário