Viver o novo e nele reconhecer o familiar
Categoria: Blog

Andar de madrugada na rua, com chuva e barulho de trovao. Cruzar a cidade de blicicleta e ter o caminho iluminado pelo sol dourado do fim da tarde. Sentar na janela de um trem e ouvir a trilha das noites de amor. Curto-circuito. Eu preciso de um plano. Ilha de idéias possivelmente nao compreendidas. Romper com o medo de nao ter o que dizer e escrever. Palavras em bolha de sabao estourando sempre no entre. Exploracao de espacos virtuais. Já nao cabe mais aqui dentro, nao cabe mais. Culpa anulando subjetividades, silêncio assumindo sinceridades. Automatismo. Já nao cabe mais.

Leve, como leve pluma
Muito leve, leve pousa.
Muito leve, leve pousa.

Na simples e suave coisa
Suave coisa nenhuma
Suave coisa nenhuma.

Sombra, silêncio ou espuma.
Nuvem azul
Que arrefece.

Simples e suave coisa
Suave coisa nenhuma.
Que em mim amadurece

Deixe um comentário